Massala entrevista: Flow MC

Posted on Junho 9, 2011

0



Texto e entrevista: Fabíola Ribeiro

 

Com 25  anos, cinco deles a frente da Batalha de MC’s do Santa Cruz, Flow Mc se prepara para o lançamento do primeiro trabalho solo, a mixtape “Vileiro“. Depois de quatro anos sem um novo disco (o primeiro foi “Mesclando Rimas”, em parceria com o MC Jay-P), Flow faz em “Vileiro” um retrato dos mais variados tipos que transitam pelas ruas do Ipiranga, onde cresceu.

Mais maduro, porém sem perder o bom humor e a irreverência, o MC conta com as participações dos amigos e também MC’s Marcello Gugu, Jota Ghetto, Rodrigo Tuchê , L.T.A. e produção do SomSujo Produções na mixtape que será lançada em julho. Porém, o single que dá nome ao trabalho, já está à venda e disponível para download, que você confere ao fim desta entrevista.

Massala Diversidade Cultural –  O single “Vileiro”,  lançado recentemente, trouxe “Cilada” e “Quartinho Obscuro” como faixas bônus servindo como aperitivo do seu primeiro trabalho solo. O que podemos esperar dessa mixtape?

Flow MC – Sou suspeito para falar, mas virá bem ao meu estilo mesmo, uns beats pesados, uns dançantes. Sou muito influenciado por Dirty South, aqueles rap com o bumbo pesadão. As rimas a milhão e como o nome diz, vileiros são os meninos de vila, entregadores de água, pizza, o funk, o pagode, os caras do corre na mix, você vai encontrar  todos esses personagens no dia a dia da vila.

MDC – Quais suas influencias musicais?

FMC – Ídolos: Michael Jackson & Notorious B.I.G. Rap, Samba, funk, soul e claro, o Funk carioca chega foda também.

 MDC –  Apresentar o Santa Cruz, celeiro de muitos talentos do rap na atualidade, te influencia musicalmente?

 FMC – Ah, influencia, né? Geralmente no meu rádio toca mais sons dos que estão ao me redor, e no Santa é muito MC, aquele lugar é foda . Um influencia o outro, e isso é da hora para a música.

MDC –  Desde o lançamento de “Mesclando Rimas” foram quatro sem lançar nenhum trabalho. Qual a razão desse hiato?

 FMC – A principal razão foram problemas pessoais. Ser independente é ótimo, mas você tem que estar em paz de espírito para poder executar um trabalho com excelência.

 MDC –  Os músicos em geral sempre citam um amadurecimento musical nos intervalos entre um trabalho e outro. Embora algumas canções tenham sido compostas anteriormente, essa mixtape é um retrato do homem que você é hoje?

 FMC – É a vida, né? Você vai aprendendo, vivendo outras paradas, até sua visão sobre o rap muda de um trampo pra outro. A mix tape conta esse amadurecimento: coisas que aconteceram comigo como na música “Cilada“, você nota letras com uma temática mais séria,apesar de contar de forma engraçada, quem me conhece sabe que sou brincalhão demais …essa mix mostra o retrato do que sou hoje sim .

MDC –  Acredita nessa rotulação de nova e velha escola do rap, este é um conceito benéfico para o movimento?

FMC – Não é nem rótulo, é a sequência da vida mesmo . Hoje são outros tempos o rap mudou, o público mudou. Acho benéfico. Na mix “Vileiro“, falo da vida dos moleques de vila, até a favela mudou , então fazemos um rap com os ensinamentos dos caras da antiga, mas de um jeito diferente. A gente olha no que os antigos erraram e tenta não cometer o mesmo erro, e a próxima geração vai dar sequencia tentando não errar como estamos errando agora e assim vai …

MDC –  Há cinco anos à frente do Santa Cruz, você  já pensou em escrever um rap em homenagem à Batalha?

 FMC –  Já tem um em “punga”, mas na melhor eu solto!

 MDC –  Você gravou com Jay-P, Afrika Kidz, entre outros. Quando surgiu o desejo de lançar um disco solo?

 FMC – Desde sempre tive esse objetivo, mas é aquela parada de você estar seguro. Vi vários bagulhos, fiz vários bagulhos, entendi algumas coisas e agora sim sei que é o momento, mas em breve tem coisa nova minha com o Jay-P.

 Baixa agora todas as músicas de Flow MC neste link:

http://www.4shared.com/folder/T2UFslSZ/Flow_Mc_-_Download.html

Anúncios
Posted in: Entrevistas, Imprensa