Produtor cultural, Assessor de Imprensa ou Empresário? Saiba a diferença

Posted on Maio 13, 2011

0



*Texto inicial por Ana Fonseca

Qual a diferença entre um produtor cultural, um assessor de imprensa e um empresário? Pra que servem? Será que o músico precisa realmente do serviço de algum deles? Por que as pessoas confundem tanto essas três profissões?

Estas questões, eu como produtora cultural, vivo no meu trabalho diariamente. O Massala é uma produtora cultural que oferece o serviço, além claro da produção cultural, também de assessoria de imprensa, mas muitas vezes quem nos procura confundem as três profissões, que são completamente diferentes.

Para ilustrar objetivamente o campo de ação das três áreas, peguei “emprestado” o excelente artigo do produtor Alê Barreto, feito para o Site Overmundo (www.overmundo.com.br) que ilustra bem, e de forma prática, o que são as três profissões e como isso se aplica à vida do músico. Publico este artigo na íntegra e segue abaixo o link, para acessa-lo direto no site!

Obrigada Alê, por nos presentear com este belo artigo!

“Ter um produtor cultural ou não ter, eis a questão

 

Alê Barreto · Rio de Janeiro, RJ

Será que quem está buscando “ter um produtor” sabe realmente o que está procurando?

A palavra “produtor”

Na prática, não do ponto de vista acadêmico ou da pouca legislação que regula assuntos de ordem cultural no Brasil, a palavra “produtor” é empregada para denominar as pessoas que desenvolvem, de forma amadora ou profissional, uma atividade ou um conjunto de atividades de suporte para realização de uma ação cultural. Trocando em miúdos, a pessoa que trabalha preparando um programa de rádio é chamada de produtor; a pessoa que trabalha preparando um programa de TV é chamada de produtor; a pessoa que organiza a gravação de um CD é chamada de produtor; a pessoa que organiza um evento cultural é chamada de produtor; e por aí vai.

Na música, os mais comuns empregos da palavra “produtor” são para designar:

– a pessoa responsável pelo projeto de produtos e serviços culturais (produtor cultural proponente de um projeto de gravação e show de lançamento de CD);
– a pessoa responsável pelo conceito artístico (produtor musical);
– a pessoa responsável pelo registro da propriedade intelectual dos fonogramas (produtor fonográfico);
– a pessoa responsável pelo suporte administrativo nas atividades de produção de CD e organização de shows (produtor executivo).

É comum também se utilizar a palavra “produtor”, no meu ponto de vista de forma equivocada, para se referir a pessoas que fazem divulgação e assessoria de imprensa (profissionais da área de comunicação), agenciamento (profissionais da área comercial e de marketing) e gestão de carreira artística (empresário). Isso ocorre nas situações em que o produtor executivo acaba acumulando funções que são exercidas por estes outros profissionais.

Com tantas variações para os significados da palavra produtor, mais importante que querer ter um produtor é saber qual tipo de produtor se está procurando.

Avaliar as necessidades

Para que um músico saiba que tipos de produtores poderão ser importantes no desenvolvimento do seu trabalho, é importante aprender a avaliar suas próprias necessidades.

Muitas vezes se pensa que a necessidade é ter um empresário quando na verdade a real necessidade é aprender a cantar. Muitas vezes se pensa que a necessidade é gravar um CD quando a real necessidade é aprender a compor e fazer arranjos. Muitas vezes se pensa que a necessidade é vender shows quando a real necessidade é aprender a ter uma postura profissional. Muitas vezes se pensa que a necessidade é conseguir uma gravadora que invista dinheiro para veicular sua música quando a real necessidade é investir na construção de formação de plateia através de um site na internet.

A visualização da carreira artística do ponto de vista de sua inserção na cadeia produtiva da economia da cultura (produção, distribuição, comercialização e consumo) irá fornecer boas pistas sobre que profissionais poderão agregar valor ao trabalho do músico.

Os formatos de trabalho

Definidas as necessidades e que produtores poderão atendê-las, é hora de se pensar em qual formato se quer trabalhar.

É o artista que contrata o produtor ou o produtor que contrata o artista? Não há regra para isso. Há situações em que o músico contrata os produtores que necessita e há situações em que os produtores contratam os músicos que estão procurando. O importante é que a relação seja profissional e haja um contrato onde estejam definidas claramente as responsabilidades de cada um e as formas de pagamento.

Abordagem e apresentação

Utilize recursos como e-mail, orkut, sites, etc para se apresentar brevemente e solicitar os procedimentos necessários para apresentar seu trabalho.

Expectativas

Muita gente procura produtores que estejam dispostos a investir em seu trabalho. Isso está cada vez mais raro, fato que leva a muitos artistas a aprenderem a ser seus próprios produtores.

Há também os que se preocupam excessivamente se o produtor que irá trabalhar com eles fará tão bem o trabalho quanto eles próprios fazem. Excesso de perfeccionismo pode afastar bons profissionais.

O que realmente pode se esperar do trabalho de um produtor? Tudo o que for combinado. Para isso, é fundamental ter um contrato.

Então…

… mais importante que querer “ter um produtor” exclusivo é poder “contar com serviços de um produtor” para realização de atividades onde um olhar diferenciado, trajetória profissional e formação possam contribuir com o desenvolvimento da sua carreira artística.”

Segue abaixo, o link do site Overmundo, com o artigo de Alê Barreto

http://www.overmundo.com.br/overblog/ter-um-produtor-cultural-ou-nao-ter-eis-a-questao

Anúncios
Posted in: Imprensa