Sobre Pia Quebrada, Fotografia e Diálogo – por Jess Penido*

Posted on Março 30, 2011

0



Todos querem deixar sua marca no mundo. Seja um rabisco em uma parede, uma pia quebrada, matar pessoas ou fazer algo artístico. Alguns nascem com vocação artística e não a usam ou simplesmente nasceram para olhar pinturas, mas insistem em querer pintar. E não se trata de estar errado ou certo, bonito ou feio, o importante é deixar uma marca, algum resquício de que um dia você existiu.

Talvez você se contente em quebrar uma pia, mas eu quero ousar ser eterna e a fotografia é um dos “por onde”, assim como espero que ela seja meu “enfim”, pra um dia poder dizer á ela “enfim sós”.

O interesse é antigo e o envolvimento é recente, o que faz a fotografia me ser familiar e intrigante. E o que começou como hobby, hoje tem proporções de futuro e de novas escolhas. Engraçado até, por pensar que eu já tinha escolhido o que ser quando crescer só não tinha acertado o dardo na fileira certa.

Hoje sou estudante de Relações Internacionais com um faro esquisito pra jornalismo e uma mania estranha de fotografar as pessoas sem que elas vejam. Foi com essa descrição que consegui achar meu lugar no mundo: o tal do Fotojornalismo, yay! Meu primeiro professor de fotografia disse que eu tinha o dom pra coisa, gosto de acreditar que ele esteja certo.

Qualquer arte é baseada na sua raiz e nas coisas que fazem parte do que você é, portanto com a música e principalmente com o RAP foi assim, da forma mais natural possível. E em meses já trabalhei com tanta gente talentosa e já me orgulhei de tantos trabalhos que as projeções futuras só podem ser de longo alcance. Dizem que o céu é o limite, eu acho que tem muito chão depois do céu.

Contudo é preciso muito estudo e foco, quem acha que ser Fotografo é apontar a câmera e apertar o botão do obturador está redondamente enganado, por que fotografar qualquer um pode, mas transmitir algo através da fotografia é para poucos. Ser eterno é para poucos. É necessário enxergar algo que está aquém do simbólico, ou seja, o real. Sendo assim, para transmitir algo é preciso ter algo a dizer…

E então, você tem algo a dizer?

Jess Penido
www.flickr.com/jesspenni
@jesspenido

*Jess Penido é fotógrafa do Massala Diversidade Cultural, Rua do Flow, NusCorre, Coisa Simples Estúdio e Radar Urbano.